27 jul 5 razões para você olhar para dentro de si mesma

Viver num mundo onde somos bombardeados por estímulos dos mais diversos e de maneira ininterrupta implica em diversos efeitos colaterais, como ansiedade, fadiga, sensação de estar sempre atrasada – correndo atrás das coisas – e grande estresse.

Você se sente assim?

Já falou pra si mesma (ou até em voz alta!) que seu dia deveria ter bem mais de 24 horas para dar conta da quantidade de tarefas que tem que realizar?

Então saiba: você não é a única.

Principalmente se tiver pessoas que dependem de você – como filhos, sobrinhos, mãe e/ou pai idosos. Nestes casos suas atividades podem até triplicar!

Sufocante. Talvez seja uma palavra que bem define esta demanda insana que nos consome.

No entanto, preste bem atenção! Há uma saída! Há um alívio para sua agonia! E mais! Não precisa desembolsar nenhum tostão, nem procurar pelo mundo a fora!!!

 

A solução está aí! Dentro de você!

Não é reconfortante?

Se acha que parece muito bom para ser verdade, vou logo informando que é tudo verdade.

 

Vivemos num momento em que todos os olhares estão para fora. Todos querem ser vistos, mas poucos param para se ver. E quando eu digo “se ver”, digo se ver genuinamente, com cuidado, dedicação e intensidade.

Passamos muito tempo olhando para os outros em busca de respostas que estão, em verdade, dentro de nós mesmas. E é neste espaço interno que possuímos que está a nossa criatividade, nossa fonte de conteúdos, de criação. É aqui, dentro da gente, que encontramos motivação!

 

Nestas duas últimas semanas falei em minha página sobre Insights. Além do conceito de ideias e sacadas que temos quase que de rompante, como uma espécie de Eureca!, busquei avaliar o enfoque da própria semântica da palavra.

Insight, em inglês, significa, numa tradução informal, olhar para dentro.

Quantas vezes você já olhou para dentro de você?

Quantas vezes se permitiu fazer esta viagem essencial?

O que viu? O que sentiu? E principalmente: o que aprendeu?

 

 

 

Se você ainda não se permitiu viver esta experiência ou se deseja se jogar nesta aventura novamente, te ofereço neste artigo sete razões para que você dê início a esta linda jornada!

 

1 – Encontrar sua essência.

Olhar para dentro é uma oportunidade de entrar com contato com suas raízes. Seus valores e sua essência.

No entanto, há que se ressaltar uma regra muito importante. A que diz que esta visita a nós mesmas, às nossas histórias, é um ritual sagrado. Desta maneira, vá de coração e mente abertos, livre de julgamentos. Apensa observe. Com amor.

E traga de cada lugar visitado o ensinamento.

Seja grata por ter vivido o que viveu, por ter os valores que tem e por ser uma pessoa consciente e comprometida, que irá honrar suas qualidades colocando-as em prol do seu crescimento pessoal.

 

2 – Manter seu equilíbrio

Não olhar para dentro de si causa grandes impactos. Se não a curto, certamente a médio e longo prazos. Isto porque é dentro de nós que reside nossa essência. Ela não está lá fora, nos outros. Lá fora, fora da gente, estão os nossos desafios. As nossas oportunidades e a nossa meta.

O segredo está justamente no equilíbrio, no balanceamento, do olhar interno com o olhar externo. Qualquer exagero (só olhar para dentro ou só olhar para fora) nos desequilibra e nos desconecta de uma dessas partes.

Se você só olha para dentro, perde a conexão com as pessoas que te cercam. Perde uma preciosa troca com os outros que em muito pode te engrandecer. Afinal, as pessoas, com suas experiências e histórias únicas e especiais, nos ensinam. Nos servem de modelo. Nos balizam e até nos certificam – com palavras, gestos e olhares.

Se só olha para dentro, perde oportunidades, experiências. E muitas delas, fique sabendo, não acontecem duas vezes.

Por outro lado, se você só olha para fora, se desconecta de si mesma. Se afasta de sua essência. Se desprende de seus valores.

E o pior não se reconhece como um indivíduo valioso e entrega as rédeas da sua vida para outros.

 

3 – Aprender com suas histórias

Ao olhar para dentro, aprendemos muito sobre nós mesmas.

Descobrimos nossas histórias e identificamos nossas habilidades.

Cada experiência vivida por você exigiu uma série de capacidades – como coragem, disciplina, paciência, amor, compaixão, força, determinação…

Encontrar suas habilidades e capacidades ratifica seus valores e suas crenças e te torna não só mais consciente de si mesma, como também mais forte. Isto porque somos mais fortes quando estamos alinhadas e congruentes.

Se você foi capaz de realizar algo no passado, verificado por você mesma ao olhar para suas experiências e histórias de vida, você saberá repetir o feito e até aprimorar sua ação! Acredite!

 

4 – Ter o que compartilhar

O poder do compartilhar é o aprender.

Quando você olha para dentro e reconhece seu valor através das suas histórias, você gera conteúdo. Ganha mais substância e pode trocar.

Trocar com o outro é um processo onde todos ganham. Você leva um pouco do outro e ele, leva um pouco de você. Este é o poder do compartilhar.

Talvez você já saiba o quanto pode aprender com as outras pessoas, com as histórias dela. O que talvez você ainda não tenha se dado conta é da importância que a SUA história tem para quem a ouve!

Sim! Suas histórias podem mudar vidas. Literalmente. Incentivando, clareando caminhos, exemplificando, motivando.

Cada vez que você dá um passo em seu aprimoramento pessoal, você descobre caminhos que outras pessoas nem sonham que possa existir!

Então, quando compartilha (ou numa conversa, ou palestra, ou num artigo ou num vídeo) você apresenta novas ideias para as pessoas que estão em diferentes níveis do que o seu. E juntos, nesta troca, neste compartilhamento, todos ganham mais experiência e mais aprendizado.

Forma-se uma verdadeira corrente do bem.

Onde você tem focado sua consciência?

Tem deixado ela no passado? Em tudo que já aconteceu?

Ou tem deixado que ela fique no futuro? No que ainda vai acontecer?

Olhar para o passado permite que você reflita sobre suas experiências e extraia delas todo aprendizado possível. E é justamente essa a razão pela qual olhamos para o passado: para matar saudade, para refletir e aprender.

No entanto, quando você olha muito para o passado, quando sua consciência fica retida nele, pode ser que esteja remoendo experiências, cultivando demasiada lamentação, num processo de vitimização que envolve o sentimento de injustiça, por vezes de rancor ou raiva.

Seja qual for o sentimento, te digo. Em nada ele colabora com sua vida neste momento presente. Pensar só no passado não faz a energia fluir e não resolve conflitos.

Em contrapartida, olhar para o futuro nos permite visualizar nossas metas, edificar pontes e planejar os passos que nos levarão à concretização das nossas metas.

Porém, a exemplo de olhar só para o passado, quando você mantém sua atenção mais no futuro do que no presente, o desequilíbrio também se apresenta.

Se você só olha para o que ainda virá, passará horas mergulhada em conjecturas. Tentando prever o que ainda não existe. O que ainda não aconteceu. São apenas suposições, por mais que te pareçam certezas absolutas. Acredite!

Tudo pode mudar! Tudo MESMO!!!

Assim, estar com seus pensamentos voltados para o que ainda não aconteceu gera PREocupação, estresse e angústia.

Desta forma a maneira mais saudável para lidar com o tempo é estar no presente!

Olhamos para o passado para aprender com nossas histórias e para o futuro com o intuito de lançar metas e planejar nossas vidas.

De resto, nosso olhar é no momento presente. No aqui e agora. Onde nossas escolhas são feitas.

Sem esquecer de alternar nosso olhar para dentro – para nossa essência e nossos valores (com os quais nos alinhamos) – e para fora, para o mundo que nos cerca, no qual estamos inseridos e com o qual interagimos.

 

Esteja PRESENTE!

Nenhum comentário

Postar um comentário